A madeira e o futuro da floresta amazônica

Madeira é a parte lenhosa das árvores, constituída de fibras e vasos condutores da seiva bruta. A madeira é um dos materiais mais utilizados pela humanidade, de várias formas, desde a antiguidade. Em princípio, para uso em fogueiras para se aquecer em épocas frias, e com o avançar dos anos no uso combinado com outros materiais para funções diversas, como cabo de ferramentas rústicas, por exemplo. A madeira brasileira era exportada para a Europa e utilizada para construção de moradias, navios e para a queima na geração de energia durante muitos séculos. O desenvolvimento da madeira no Brasil ocorreu com maior propriedade no Sul do país e com o tempo, a atividade se expandiu para a Amazônia, que hoje, atende à demanda nacional e internacional.

Trata-se de um recurso natural amplamente utilizado em vários setores, mas com maior frequência na indústria moveleira e na construção civil. Com o avanço das tecnologias dos materiais seu uso foi aprimorado e hoje a madeira pode ser usada em acabamentos internos, estruturas que requerem baixa carga, pisos e outras finalidades diversas.

No Brasil, grande parte da produção de madeira é de reflorestamento de Eucalyptus, o restante é ocupado por Pinus e outras espécies. Segundo o Instituto Brasileiro De Florestas, a madeira é classificada de duas formas: comum e nobre, diferenciadas pela dureza e densidade; dentre as comuns, as mais utilizadas são o pinus e o eucalipto e as nobres, o mogno africano e o ipê. Tal classificação implica no valor de mercado de cada tipo, pois as diferencia nas propriedades físicas, durabilidade e finalidades. as madeiras nobres são mais resistência ao ataque de fungos e insetos, mais pesadas e densas. As aplicações deste tipo são mais caras, podendo ser utilizada em acabamentos no interior de residências e instrumentos musicais, por exemplo (ver mais em: https://www.ibflorestas.org.br/conteudo/madeira-nobre-e-madeira-comum).

O setor madeireiro no Brasil é forte, possui estruturada regulamentação que inclui variadas espécies nativas. Contudo, a exploração da madeira constitui uma atividade altamente rentável, e isso faz com que a realidade no Brasil seja outro. O Instituto Nacional De Pesquisas Espaciais (INPE) divulgou que o desmatamento da floresta Amazônica alcançou recorde em uma década. Tendo atingido seu nível mais alto em 2008, e agora, em julho de 2020, com cerca de 11.000 km2 de floresta tropical destruída. A Operação Arquimedes, liderada pela Polícia Federal, investiga à exploração ilegal de recursos florestais. Essa já pode ser considerada uma das maiores investigações relacionadas a floresta Amazônica, envolvendo empresas do setor e a cúpula de órgãos de fiscalização ambiental.

Será que a floresta Amazônica resiste mais uma década?

Autoria

  • Karla Acemano De Jesus
    Engenheira
    Mesquita-RJ
    Doutora em Engenheira Química e Especialista em Eng de Segurança e Higiene do Trabalho. Docente, Perita e Consultora técnica.

Olá, você só poderá enviar comentários quando se registrar ou realizar seu login.